quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Arquipélago do Amor


"varanda de pilatos" - foto de António Rodrigues

Não me perguntes pelos dias passados na solidão do meu quarto.
Fala-me dos corvos plantados ao sol, num rochedo inóspito;
diz-me do som das ondas, poderosas e alvas, a desfazer-se na areia;
recorda-me do cheiro a maresia, quando a praia fica imensa, na maré-baixa; 
traz até mim a brisa morna do fim da tarde, nas dunas;
conta-me da hora do ocaso, no horizonte, do arquipélago que é a nossa casa;
sussurra-me palavras ternas, no aconchego da sala, iluminada pelo fogo na lareira; 
beija-me infindavelmente;
toma-me nos teus braços e deixa-me adormecer, de cansaço, aninhada em ti:
a cabeça no teu peito;
a alma leve, radiante, saciada. 

15 comentários:

Maria disse...

Poderia ter escrito isto, se soubesse escrever assim. Sinto cada sílaba...
A fotografia encheu-me a alma.

Um beijo.

maria carvalhosa disse...

Querida Maria... estas nossas cumplicidades, que nos aproximaram, continuam a manter-nos ligadas, por algum fio invisível mas bem sentido.
Um beijo grande para ti.

Sandra disse...

lindas imagem e mensagem.

maria carvalhosa disse...

Fico feliz por teres gostado, amiga. Beijos.

tulipa disse...

Amiga
Venho agradecer as tuas palavras que vais deixando no Facebook.
Como não nos temos visitado pelos blogues respectivos, vim hoje, aqui deixar umas palavrinhas...
No retorno, podes passar pelo "Momentos Perfeitos" e ver as minhas fotos da viagem à Croácia.
Especial atenção aos vários posts que fiz sobre o "cemitério de Zagreb".

É assim...
ando muito desanimada com o mundo que me rodeia; já pensei seriamente em "bloquear" os comentários nos meus 2 blogues, precisamente por coisas que as pessoas dizem sem pensar!!!
Mas...depois,
ficaria triste por não receber palavras simpáticas que algumas pessoas lá escrevem.

O problema principal da vida do ser humano é a falta de saúde!
É por isso que vou aproveitando, enquanto a saúde me permite, fazer o que mais gosto, pode ser ir ao cinema ou viajar.
Acredita que "viajo" todos os dias, mesmo sentada no autocarro, de olhos fechados, passam na minha retina momentos maravilhosos que já passei nas minhas viagens.
Acredito que é isso que me vai mantendo "Viva"!

Tempo felizmente não me falta, faço a gestão do tempo de forma a ter algum para mim.

Beijos.
Bom fim de semana.

tulipa disse...

Ah...
com toda aquela conversa,
esqueci-me de te dar os Parabéns pela fabulosa veia que tens para a escrita.
Adorei!!!

Maria P. disse...

Regresso, e gosto tanto, é sempre um prazer ler-te.

A fotografia, linda!

Beijinhos*

* *** * disse...

Simplesmente Sublime!

PS: Só quem ouve o Mar é capaz de se expressar assim ;)

Anónimo disse...

Um poço de luz no horizonte.
Palavras cálidas.
Fico feliz por ti, por vós, nesse arquipélago do amor construído.
Pela porta do quintal, falo-te.
Bjinho da bettips

A.S. disse...

Belo o teu texto! As palavras são como doces caricias...

Beijos!
AL

Justine disse...

Um fulgurante texto poético de encontros, cumplicidades,e muita serenidade. E que me traz memórias doces desse mar que é também o meu!
(A foto, de um grande fotógrafo...)
Abraço:))

AC disse...

Cheguei (nem sei como) li e maravilhei-me...
Para seguir com todo o gosto!

Bj

Graça Pires disse...

"Não me perguntes pelos dias passados na solidão do meu quarto."
Não perguntamos porque sabemos que voltaste e contigo de volta a solidão vai embora. Um poema lindo!
Saudades.
Um grande beijo.

Ana Teresa Alves disse...

Maria tão belo!!!...Do principio ao fim . ADOREI!!!
BJS

Anónimo disse...

hi, new to the site, thanks.